Adilson Araújo: Na crise, o melhor remédio é a luta

Brasília-DF, quinta-feira, 17 de janeiro de 2019


Brasília, sexta-feira, 4 de setembro de 2015 - 10:36

CENTRAL SINDICAL

Adilson Araújo: Na crise, o melhor remédio é a luta


Fonte: Portal Vermelho

Presidente da CTB comenta desemprego no país e reforça defesa de agenda positiva

Em um contexto global de crise, o desemprego soa como um fantasma para a classe trabalhadora. O brasileiro tem, em sua memória recente, o pesadelo que a falta de trabalho gerou para milhares de famílias, resultado das políticas neoliberais de FHC.

O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, comenta ao Portal Vermelho o significado do aumento da taxa de desemprego no país e o que deve ser feito para evitar o retrocesso.

Segundo Adilson, estudos apontam que, nos próximos anos, o mundo terá uma elevação nas taxas de desemprego.

"Isso é decorrente do aprofundamento da crise que não encontra uma saída e o Brasil não está imune a tal processo. Há uma retração na economia e o uso do elemento político que vem contra a perspectiva de alavancagem, já que a operação Lava Jato tem permitido uma paralisação de setores importantes, como a indústria naval e as operações da Petrobras. Sabemos que há um apelo externo nisso. O Brasil foi citado em um recente encontro de países europeus como a quinta maior nação em perspectiva de investimento para os próximos anos. Setores econômicos também possuem essa avaliação. A prova cabal disso é que, apesar da indústria automotiva passar por um processo de retração, a GM aprova investimentos na ordem de R$ 13 bilhões para o próximo período. Isso demonstra que a expectativa da retomada do crescimento é possível", avalia.

Luta contra o ajuste fiscal e austeridade

O sindicalista afirma que o desemprego é um fantasma que nos assombra, mas que, estabelecida a ordem e criada as condições para que o desenvolvimento de fato seja retomado, em um curto espaço de tempo será criado um caminho ideal para a realização de investimentos de forma a impactar uma nova condição para o Brasil. Porém, todo cuidado é pouco.

"Há um apelo do mercado com foco no ajuste fiscal e uma abertura para a austeridade. Seguir essa política é seguir rumo à intervenção do Fundo Monetário Internacional (FMI) o qual a sua cartilha reza pela retomada das privatizações, redução do papel do Estado, dos investimentos públicos, uma agenda derrotada", afirma.

Governabilidade e agenda positiva

O presidente da CTB considera que é preciso ouvir o recado das urnas e garantir de uma vez por todas o mandato de Dilma Rousseff. "A presidenta foi eleita para governar. Nós precisamos apostar em uma agenda positiva, garantindo o ciclo tão promissor que o país viveu nos últimos anos, que gerou empregabilidade e programas sociais que tiveram impacto direto na economia, colocando o Brasil em um papel de destaque no contexto internacional. Na crise o melhor remédio é a luta", conclui Adilson.

No gráfico abaixo, há uma comparação entre o desemprego no Brasil e na Europa, que também está sendo afetada pela crise econômica.









Últimas notícias

Notícias relacionadas



REDES SOCIAIS
Facebook

Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal

Ed. Venâncio IV, Sala 403, 4° andar - Setor de Diversões Sul - CONIC
Brasília/DF - CEP: 70300-000
Telefone: (61) 3034-8685 - Fax: (61) 3034-8688
sec.saepdf@gmail.com